quinta-feira, 17 de maio de 2007

Luz, câmera e vulgarizAÇÃO

O circo está armado, assim como o palco, à espera de grosserias e de vulgaridades, sem qualquer pudor ou respeito à individualidade e a intimidade. Um cotidiano real? Não. Uma mistificação da realidade, uma farsa na qual reserva-se lugar para tudo, menos para o real pensamento e personalidade.
O brasileiro já não sabe o que é assistir a um programa de alto nível cultural. Que tristeza! Os programas a que estamos submetidos diariamente são, em sua maioria, de grande pobreza cultural, estando seus idealizadores mais preocupados com o retorno financeiro destes programas do que com a qualidade da informação a ser transmitida.
A mania da vez, os chamados reality shows, que simulam uma realidade sem qualquer proposta estética, sendo uma vocação espetacularizante e, muitas das vezes, sensacionalista, surge como um programa de exploração de emoções associada à centralização da cultura midiática nos projetos individuais, como o de ter fama, dinheiro e uma boa aparência física. Esses programas insistem em dramas reais e em histórias de vida de pessoas, antes anônimas, proporcionando àqueles que assistem uma certa identificação com os “personagens reais”, permitindo-lhes rever a sua vida de outro ângulo, agora como telespectadores e não agentes da ação. As várias versões e estilos dos reality shows, buscam obter retornos rápidos a partir da exploração fácil da emoção, na qual todo raciocínio é transformado em mercadoria, criando assim um campo ideológico de que tudo é belo, bom e fácil.
A sociedade de consumo vive obcecada por fazer passar a idéia de que as nossas vidas podem ser transformadas, mas o truque é que isso dificilmente acontece no plano em que a vida real não é um reality show.
Fascinados pelo“glamour” as pessoas são atraídas para esses reality shows, como se isso fosse a única e última solução para transformarem suas vidas, estando dispostos a fundirem sua vida privada com a pública sem nenhum constrangimento, desde que adquiram o tão sonhado “conto de fadas” ,e assim a TV terá um espetáculo para apresentar nas noites de cada dia, com um grande número de telespectadores procurando se refugiarem em um mundo de “faz de contas”.

Um comentário:

Talita Baena disse...

Parabéns Jandevânia! Como são muitos blogs da turma, estou selecionado os mais interessantes e Vc passei na peneira.
Tá muito bom o seu Blog!!!